sábado, 10 de março de 2018

Aceitação

Quando precisamos aceitar uma circunstância que não foi planejada, o primeiro impulso que temos é o de ser resistente à nova situação.
É difícil aceitar as perdas materiais ou afetivas, a dificuldade financeira, a doença, a humilhação, as traições.
A nossa tendência natural é resistir e combater tudo o que nos contraria e que nos gera sofrimento.
Agindo assim, estaremos prolongando a situação.
Resistir nos mantém presos ao problema, muitas vezes perpetuando-o e tornando tudo mais complicado e pesado.
Em outras ocasiões, nossa reação é a de negação do problema e, por vezes, nos entregamos a desequilíbrios emocionais como revolta, tristeza, culpa e indignação.
Todas essas reações são destrutivas e desagregadoras.
Quando não aceitamos, nos tornamos amargos e insatisfeitos. Esses padrões mentais e emocionais criam mais dificuldades e nos impedem de enxergar as soluções.
Pode parecer que quando nos resignamos diante de uma situação difícil, estamos desistindo de lutar e sendo fracos.
Mas não. Apenas significa que entendemos que a existência terrestre tem uma finalidade e que a vida é regida pela lei de ação e reação; que a luta deve ser encarada com serenidade e fé.
Na verdade, se tivermos a verdadeira intenção de enfrentar com equilíbrio e sensatez as grandes mudanças que a vida nos apresenta, devemos começar admitindo a nova situação.
A aceitação é um ato de força interior que desconhecemos.
Ela vem acompanhada de sabedoria e humildade, e nos impulsiona para a luta.
É detentora de um poder transformador que só quem já experimentou pode avaliar.
Existem inúmeras situações na vida que não estão sob o nosso controle. Resta-nos então acatá-las.
É fundamental entender que esse posicionamento não significa desistir, mas sim manter-se lúcido e otimista no momento necessário.
No instante em que aceitamos, apaga-se a ilusão de situações que foram criadas por nós mesmos e as soluções surgem naturalmente.
Aceitar é exercitar a fé.

É expandir a consciência para encontrar respostas, soluções e alívio.
É manter uma atitude saudável diante da vida.
É nos entregarmos confiantes ao que a vida tem a nos oferecer.
* * *

Estamos nesta vida pela misericórdia de Deus, que nos concedeu nova oportunidade de renascimento no corpo físico.

Os sentimentos de amargura, desespero e revolta, que permeiam nossa existência, são frutos das próprias dificuldades em lidar com os problemas.
Lembremos que todas as dores são transitórias.
Quando elas nos alcançarem, as aceitemos com serenidade e resignação.
Olhemos para elas como mecanismos da Lei Universal que o Pai utiliza para que possamos crescer em direção a Ele.
Busquemos, desse modo, as fontes profundas do amor a que se reporta Jesus que o viveu, e o amor nos dirá como nos devemos comportar perante a vida, no crescimento e avanço para Deus.

(A.D - Momento Espírita)
 Compartilhado de Edinho Simonetti

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Era da Ciência Quântica





Entrar na era da Ciência Quântica, é a mais sábia decisão do nosso momento... :



O cansaço e as novas frequências:
O cansaço físico que estamos sentindo é devido às novas frequências eletromagnéticas inteligentes que estão chegando do Sol Central. 
Estas estão mexendo radicalmente em nossas estruturas físicas, emocionais e espirituais. 
Como se fôssemos apenas um aparelho de celular ligado a uma bateria de um imenso navio. 
Há muita energia vindo do mundo espiritual. 
Sendo assim, há a necessidade de estabilização.

O QUE FAZER?

Mentalmente:
Vibrar em alta ressonância, de preferência na mais alta energia possível, a energia da gratidão, da compaixão, da generosidade, da benevolência e do compartilhamento mútuo das ideias.
Evitar julgamentos alheios, pois não sabemos realmente o que cada um veio passar nesta vida. 
Elevar o pensamento para coisas nobres ao invés de continuar compartilhando noticias fúteis e terríveis que teimam em multiplicar pela televisão e mídias sociais. 
Faça diferente, encontre coisas boas nas pessoas e nas situações, elas existem, mas estão sendo esquecidas. 
Pare de reclamar e comece a agradecer, a gratidão é a energia que moldará o novo mundo. 
Quando um pensamento ruim vier, compreenda-o e imediatamente neutralize com outro superior e positivo.
Quando um problema vier a sua mente, transmute a informação, procurando imediatamente a solução e foque nesta. 
Mude o foco, encontre coisas belas em você, em seu comportamento, pare de se mutilar energeticamente, pois todos nós temos coisas boas e virtudes.

Fisicamente:
Fazer exercícios calmos e concentrados, emitindo, ao mesmo tempo em que os faz, ondas azuis para todos os locais onde sente supostamente dor, desconforto ou fadiga muscular, transformando um simples exercício de alongamento e fortalecimento em um exercício vibracional quântico intensificado.
Beber bastante água mineral, de preferência aquela que sai direto das pedras , pois traz fragmentos minerais puros do centro da montanha, rochas e cristais. 
Evitar alimentos industrializados e com condimentos exagerados.
Coloque para dentro do seu corpo coisas bonitas, saudáveis e que possuem vida. 
Tomar sol e agradecer enquanto faz isso. 
Mergulhar na água do mar ou na água de rio corrente para entrar na frequência nova da Natureza.

Espiritualmente:
Prestar atenção na intuição, pois esta está chegando com força e é a primeira informação que chega do mundo espiritual para adentrar em sua mente. 
Ouvir uma música boa, aquela que faz os pelos do seu braço arrepiar, pois esta é capaz de produzir a ressonância com seu espírito.
Prestar atenção nas inspirações, pois elas vêm pura e simples, caso contrário, não conseguimos anotar o que é recebido ou fazer no exato momento em que ela chega, perdemos o contato e o espírito demora para trazê-la novamente. 
Inspiração é algo que seu próprio espirito lhe envia, não é um espirito terceiro ou uma amparador, é você mesmo em manifestação futura e dimensão divina tentando conversar consigo mesmo.

Relacionamentos
Não precisa mais gritar com ninguém, seu coração já não suporta mais gritos e discussões, ele só quer harmonia e entendimento, a época dos sofrimentos terminou, quem ainda continuar nesta ideia passará por grandes provações. 
Se for preciso se posicionar, posicione-se e faça o que precisa ser feito.

Trabalho
Seu espírito não está mais querendo fazer o que não faz sentido e não preenche o seu propósito de vida. 
Ele está forçando-o a entrar com força total no seu centro de sinergia, aquele que sintoniza com as forças que vêm do Universo. 

Se não mudar ou melhorar sua relação com seu trabalho, sua vida vai ficando cada vez mais vazia, mesmo que através dele receba bastante dinheiro, nada disso poderá dar um sentido real para a sua existência daqui em diante. 
Não se preocupe em encontrar o novo mundo, ele não é um lugar, mas sim uma frequência, um estado vibracional em que todos podem estar, se assim o desejarem.
O estado da gratidão pura e silenciosa. 
Sintonia é o caminho, sintonia consigo mesmo.
Essa é a verdadeira espiritualidade que os mentores desejam de nós, pois estando completos e conectados, estamos em plena Sintonia com o Todo.

Om Shanti Om 🕉

Compartilhado do Grupo whatsapps do Instituto de Reiki Tradicional de Campinas

Siga a si mesmo

Existe algo no universo algo que sabe mais sobre você do que você mesmo? Há no universo algo que sabe mais do que você sobre suas qualidades, limitações e necessidades? Se disser sim, olhe para dentro de si mesmo e desculpe-se! Pois pensando que é tão pouco assim, está a criar muros cada vez mais largos em volta de sua consciência, separando-o cada vez mais de quem realmente é, e por esse motivo cai na ilusão de achar que não se conhece tão bem, talvez você nem tenha tentado...

Jamais valorize mais algo que vem "de fora" da sua consciência interna, se tens vontade de fazer alguma coisa que achará produtivo, vá e faça! Não importa se uma pessoa que acha ter mais consciência que você lhe dizer: “esse não é seu caminho” ou “você ainda não está preparado”. Isso denota muita soberba espiritual, falta de consciência em relação à consciência alheia.

Mesmo que suas intenções sejam movidas pelo ego, vá e faça, pois você sabe quem controla o seu ego? É sua própria consciência! Parece loucura né? Mas quem mais o controlaria? Há algo além em você do que você mesmo? E ainda que você possa vir a dizer, "existem espíritos obsessores me influenciando", a resposta para isso está na própria frase, influenciando, não escolhendo por você. Sua falta de responsabilidade sobre si mesmo foi o que os atraiu.
"Se você ficar obcecado sobre se você está tomando a decisão certa, basicamente você está acreditando que o universo vai recompensá-lo por uma coisa e puni-lo pela outra.

O universo não tem agenda fixa. Depois de tomar qualquer decisão, ele funciona em torno dessa decisão. Não há certo ou errado, apenas uma série de possibilidades que mudam com cada pensamento, sentimento e ação que você experiência.”
— Deepak Chopra

O Observador usa o ego para nos levar a aprender e a ter mais vivências, mais experiências que nos levarão a ter mais contato com nosso íntimo, porque cada nova experiência pode trazer novas perspectivas, se estivermos abertos, e essa é uma questão fundamental do aprendizado, estar aberto. Pois é fácil tomar as palavras ditas aqui como uma desculpa para seguir iludindo a si mesmo através de orgulhos, vaidades e luxurias pessoais, dizendo que está seguindo sua "vontade maior". Mas preste atenção na mensagem do blog como um todo e verá que essa não é a ideia. O que estou propondo aqui é que use as experiências criadas pelo ego para absorver aprendizados delas e então, continue em frente. Viver para satisfazer as vontades pessoais é estagnar seu desenvolvimento, pois elas não produzem novos aprendizados, apenas o mantém preso em um ciclo perpétuo de repetição, já que não há como satisfazer a luxuria, nem que por um momento, pois assim que o objeto de desejo é adquirido você irá instantaneamente buscar mais. A luxuria é como um fogo, você não pode satisfazer o fogo alimentando-o com mais lenha.

Outra questão importante é o de não ter medo de errar ao seguir o seu ego, pois os "erros são, no final das contas, fundamentos da verdade. Se um homem não sabe o que uma coisa é, já é um avanço do conhecimento saber o que ela não é." (Carl Jung). Ou seja, com a falha, vem o aprendizado, se você estiver aberto a receber a lição e não mais preocupado com com o que você tem a ganhar ou perder com a situação. Não existem problemas no mundo real, o que existem são situações, "problema" é um modo de interpretar uma situação. Mas quando você começa a prestar atenção nas coisas a sua volta, sem fecha-las em caixas, tudo que acontece se torna seu professor. Por isso, não pratique suas ações valorizando as expectativas, positivas ou negativas, apenas aja pelo bem de agir Se algo não for como o esperado avalie o que ocorreu e melhore.

"Um erro não se torna um problema até você se recusar a corrigi-lo."
— John F. Kennedy 

Não tenha medo, nada pode atingir quem você realmente é, você é intocável pela imperfeição, sua luz é infinita e nada pode apagá-la ou diminuir sua intensidade, a única coisa que pode limitá-la é você mesmo, através de suas crenças de achar-se menos do que você é. E e mesmo em situações de dificuldades intensas, onde parece que não haver solução, lembre-se de que o perigo pode vir a ser real, mas ter medo é um escolha.
Tudo que foi dito eu percebi durante minha experiência como humano, mas sinceramente, não desejo lhe impor isso, apenas estou lhe contando sobre minha vivência, cada pessoa deve saber de si, e seguir seu próprio mestre interno, a si mesmo.
"Nunca sigam a ninguém, sigam apenas a si mesmos. E ainda assim tenham cuidado!"
— Nessahan Alita

Fonte:evoluasuaconsciência

Compartilhado de: Carlos Alberto Aragão.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Professor Reprova a Turma Inteira


Um professor de economia em uma universidade americana disse que nunca havia reprovado um só aluno, até que certa vez reprovou uma classe inteira.
Essa classe em particular havia insistido que o socialismo realmente funcionava: com um governo assistencialista intermediando a riqueza ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e justo.
O professor então disse: "Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas."
Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam 'justas'. Todos receberão as mesmas notas, o que significa que, em teoria, ninguém será reprovado, assim como também ninguém receberá um "10".
Após calculada a média da primeira prova todos receberam "7".
Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.
Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos - eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Já aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Como resultado, a segunda média das provas foi "4".
Ninguém gostou...
Depois da terceira prova, a média geral foi um "1".
As notas não voltaram a patamares mais altos mas, as desavenças entre os alunos, a busca por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe.
A busca por 'justiça' dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e o senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma.
No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala...
Portanto, todos os alunos repetiram aquela disciplina...
Para sua total surpresa, o professor explicou:
"O experimento socialista falhou porque quando a recompensa é grande o esforço pelo sucesso individual é grande". Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros para dar aos que não batalharam por elas, então ninguém mais vai tentar ou querer fazer seu melhor.
1. Você não pode levar o mais pobre à prosperidade apenas tirando a prosperidade do mais rico;
2. Para cada um recebendo sem ter que trabalhar, há uma pessoa trabalhando sem receber;
3. O governo não consegue dar nada a ninguém sem que tenha tomado de outra pessoa;
4. Ao contrário do que prega o socialismo, é impossível multiplicar as riquezas tentando dividi-las;
5. Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.
6. É claro que o governo tem que fazer a sua parte, assim como o povo, tb.

Cada um dá o que tem e recebe o que merece.
Todo poder emana do povo, então........

-Será que o povo está, realmente, preparado para agir dentro do equilíbrio deveres/benefícios?

-Será que estamos aceitando, ou não,  passivamente, (não pacificamente), os ensinamentos e exemplos  a nós dirigidos de tal modo que acabamos numa zona de conforto, apenas reclamando?

-Será que tem valor participar de uma passeata se encher de selfs e posterior postagens nas redes sociais em uma condição bem individualista, (cinco minutos de fama), e depois ficar tudo como antes, apenas uma questão de tempo?

-Será importante atitudes  radicais, tendo como objetivo uma das duas pontas?

-Será que não existe uma força muito grande acompanhando essas mudanças de uma maneira bem sutil e por isso somos tocados como uma boiada em direção ao matadouro, uns felizes,  outros revoltados?


Existem entre nós muitas coisas boas em prática, chamamos essa situação de: "Poder do Bem" , que é superior ao "Poder do Mau", ainda.

REIKI - Não é Passe


O passe espírita é uma técnica de energia muito eficaz como observam diversas pesquisas, mas, ela trabalha com energia polarizada que é chamada de energia eletromagnética, ou Fluido Vital. Nessa técnica não se utiliza a frequência de energia chamada Energia Universal – REI.

Quem aplica o passe espírita não passa pelo processo que chamamos no Sistema Usui Iniciação ou Sintonização.

No caso do passe, observamos que, para se ter um bom resultado é importante que, quem recebe o tratamento, acredite ou queira se curar para obter melhores resultados. Isso porque a mente humana é capaz de bloquear a energia polarizada.

Já a Energia Vital Universal – Reiki, não passa pela mente. Por isso é indiferente, se quem recebe o tratamento, acredita, tem fé, quer se curar ou não.

Principalmente, por não ter cunho religioso, o Reiki não se choca com nenhuma técnica e complementa todas.

Hermit

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

A Herança Emocional dos nossos Antepassados




A herança emocional é tão decisiva quanto intransigente e impositora. Estamos enganados quando pensamos que a nossa história começou quando emitimos o nosso primeiro choro. Pensar dessa forma é um erro, porque assim como somos o fruto da união do óvulo e do esperma, também somos um produto dos desejos, fantasias, medos e toda uma constelação de emoções e percepções que se misturaram para dar origem a uma nova vida.
Atualmente falamos muito sobre o conceito de “história familiar”. Quando uma pessoa nasce, ela começa a escrever uma história com suas ações. Se observarmos as histórias de cada membro de uma família, encontraremos semelhanças essenciais e objetivos comuns. Parece que cada indivíduo é um capítulo de uma história maior, que está sendo escrita ao longo de diferentes gerações.

“A verdade sem amor dói. A verdade com amor cura. ”
-Anônimo-

Esta situação foi muito bem retratada no livro “Cem Anos de Solidão”, de Gabriel García Márquez, que mostra como o mesmo medo é repetido através de diferentes gerações até que se torna realidade e termina com toda uma linhagem. O que herdamos das gerações anteriores são os pesadelos, os traumas e as experiências mal resolvidas.

A herança de nossos antepassados que atravessa gerações

Esse processo de transmissão entre as gerações é algo inconsciente. Normalmente são situações ocultas ou confusas que causam vergonha ou medo. Os descendentes de alguém que sofreu um trauma não tratado suportam o peso dessa falta de resolução. Eles sentem ou pressentem que existe “algo estranho” que gravita ao seu redor como um peso, mas que não conseguem definir o que é.

Por exemplo, uma avó que foi abusada sexualmente transmite os efeitos do seu trauma, mas não o seu conteúdo. Talvez até mesmo seus filhos, netos e bisnetos sintam uma certa intolerância em relação à sexualidade, ou uma desconfiança visceral das pessoas do sexo oposto, ou uma sensação de desesperança que não conseguem explicar.

Essa herança emocional também pode se manifestar como uma doença. O psicanalista francês Françoise Dolto, disse, “o que é calado na primeira geração, a segunda carrega no corpo”.

Assim como existe um “inconsciente coletivo“, também existe um “inconsciente familiar”. Nesse inconsciente estão guardadas todas as experiências silenciadas, que estão escondidas porque são um tabu: suicídios, abortos, doenças mentais, homicídios, perdas, abusos, etc. O trauma tende a se repetir na próxima geração, até encontrar uma maneira de tornar-se consciente e ser resolvido.

Esses desconfortos físicos ou emocionais que parecem não ter explicação podem ser “uma chamada” para que tomemos consciência desses segredos silenciados ou daquelas verdades escondidas, que provavelmente não estão na nossa própria vida, mas na vida de algum dos nossos antepassados.

O caminho para a compreensão da herança emocional

É natural que diante de experiências traumáticas as pessoas reajam tentando esquecer. Talvez a lembrança seja muito dolorosa e elas acreditam que não serão capazes de suportá-la e transcendê-la. Ou talvez a situação comprometa a sua dignidade, como no caso de abuso sexual, em que apesar de ser uma vítima, a pessoa se sente constrangida e envergonhada. Ou simplesmente querem evitar o julgamento dos outros. Por isso, o fato é enterrado e a melhor solução é não falar sobre assunto.

Este tipo de esquecimento é muito superficial. Na verdade o tema não está esquecido, a lembrança é reprimida. Tudo que reprimimos se manifesta de uma outra forma. É mais seguro quando volta através da repetição.

Isto significa que uma família que tenha vivenciado o suicídio de um dos seus membros provavelmente vai experimentá-lo novamente com outra pessoa de uma nova geração. Se a situação não foi abordada e resolvida, ficará flutuando como um fantasma que voltará a se manifestar mais cedo ou mais tarde. O mesmo se aplica a todos os tipos de trauma.

Cada um de nós tem muito a aprender com os seus antepassados. A herança que recebemos é muito mais ampla do que supomos. Às vezes os nossos antepassados nos fazem sofrer e não sabemos o porquê.

Talvez tenhamos nascido em uma família que passou por muitas vicissitudes, e não saibamos qual é o nosso papel nessa história, na qual somos apenas um capítulo. É provável que esse papel nos tenha sido atribuído sem o nosso conhecimento: devemos perpetuar, repetir, salvar, negar ou encobrir as feridas destes eventos transformados em segredos.

Todas as informações que pudermos coletar sobre os nossos antepassados serão o melhor legado que podemos ter. Saber de onde viemos, quem são essas pessoas que não conhecemos, mas que estão na raiz de quem somos, é um caminho fascinante que só nos trará benefícios. Isto nos ajudará a dar um passo importante para chegar a uma compreensão mais profunda de qual é o nosso verdadeiro papel no mundo.

domingo, 22 de outubro de 2017

Paciência



A paciência é um recurso raro nos dias de hoje. Todo mundo parece querer tudo no exato momento. Comportamentos impulsivos e agressivos são valorizados especialmente nos negócios, no esporte e na mídia. Mas, realmente, nós perdemos o barco espiritual, por assim dizer, quando tentamos fazer as coisas acontecerem. Tudo chega até nós na hora certa.Isso não significa que devemos nos tornar apáticos ou ignorar as oportunidades quando elas aparecem.Pelo contrário ! Quando você é paciente, você realmente assume o controle do seu ambiente. Você decide a hora apropriada de agir, e o momento de esperar, para abarcar o máximo de possibilidades disponíveis.A paciência ensina o autocontrole através da conservação de energia. Com esta energia, você tem o poder de tomar decisões que são para o seu próprio bem.Sempre sugiro ao estudante "meditar sobre o assunto" antes de agir, para deixar que o espírito surja com orientação e informações. Quando você age ou reage com impaciência, pode prejudicar uma situação ou um processo.Às vezes, o melhor é não fazer nada e deixar a situação amadurecer e se desenvolver de uma maneira natural. À medida que você aprende a ser mais paciente, irá sentir menos estresse, o medo da vida vai diminuir e você passará a prestar mais atenção às suas decisões.

James Van Praagh
(Compartilhado de Terapia Quâmtica)



quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Karma não é sofrimento


Karma não é sofrimento, é aprendizado A palavra karma tornou-se popular em nosso vocabulário, mas poucos sabem do que estão falando. Alguns acreditam que é uma dívida de sofrimento, outros acreditam ser uma expressão de cunho religioso. Mas, na verdade, essa palavra que vem do sânscrito expressa uma lei mecânica: a lei de causa e efeito. A incompreensão dessa lei ou fenômeno da vida, pode tornar as coisas bem mais difíceis do que realmente são. Tudo tem um por quê: nem uma simples folha cai da árvore por acaso. Se um convidado bateu na sua porta é porque você convidou, ou seja, se uma determinada situação aconteceu na sua vida, é porque você chamou. Cada situação é como um convidado para quem você enviou o convite de uma festa. Às vezes você se esquece disso e o convidado te pega desprevenido. Isso causa desconforto, mas não adianta se revoltar ou fugir; é preciso aceitar porque, se você resiste, cedo ou tarde, o convidado volta a bater na sua porta. Não importa qual a situação (um assalto, uma discussão ou uma traição), você não é uma vítima indefesa – tudo que acontece ao seu redor foi atraído por você. Não reconhecendo isso, você pode desperdiçar a vida culpando o outro. Você está diante de um profundo aprendizado pelo qual todos nós temos que passar: a aceitação. Está tudo certo. Se você acha que tem alguma coisa errada é porque ainda não compreendeu o recado. Muitas vezes, não é preciso compreender intelectualmente, porque certos sofrimentos simplesmente agem como um fogo de purificação karmica, e não é possível compreender dessa forma. Mas, compreenda que o karma não é uma dívida de sofrimento, mas sim uma dívida de aprendizado. O sofrimento acontece quando não é possível absorver o aprendizado que a situação está trazendo. Portanto, esteja onde estiver, aprenda o que tem que ser aprendido. Você somente será convidado a mudar de lugar quando aprender a lição. Quando você aprende, o karma desaparece.

Sri Prem Baba

domingo, 8 de outubro de 2017

REIKI - Mãos de Cura, Agentes do Amor de Deus



Precisamos entender que nós , praticantes de REIKI e de outras Práticas de Tratamentos Terapêuticos , através da condução da energia disponível em nosso universo ,somos um instrumento que foi habilitado a servir. 
Como exemplo , um cutelo que precisa ser afiado para , ao agir com pressão sobre uma carne ou osso , praticar o corte. 
Ou seja , temos que entender que não curamos e não somos milagreiros. 
Necessário estudo e treinamento pratico.
Somos sim , quando preparados moralmente e bem treinados , manipuladores/condutores , da energia de cura que o Universo nos fornece. 
Isso parece forte , mas precisa ser explicado , para que não nos coloquemos em posição de vanguarda, acima de todos. 
Sejamos humildes , agindo com o coração a frente e todas as situações serão favoráveis quando de nossas aplicações. 
Somos para Deus , um instrumento de seu amor para com o próximo. 
Gratidão.!!
Muita Paz e Luz a todos!!

Compartilhado de: Ricardo Recomeço - Reiki Mikao Usui em Portugues


Dependência Química, desajustes da alma.



Nos últimos tempos, a sociedade brasileira de um modo geral vem sendo atormentada pelo fantasma da dependência química. Infelizmente, o assunto é destaque nos veículos de comunicação em todo o país.
Em todas as cidades, em maior ou menor grau, é possível encontrar dependentes químicos padecendo pelo vício nas ruas, praças e becos. São pessoas de variadas classes sociais, níveis de formação e faixa etária. A dependência química não é seletiva, ao contrário, é epidêmica.
O número de usuários de substâncias tóxicas é crescente e chega a índices preocupantes. Estima-se que no Brasil cerca de 9 milhões de pessoas fazem uso de substâncias ilícitas e, se mencionarmos os etilistas e tabagistas, devemos acrescentar às estatísticas mais 9 milhões de pessoas. A impressão que temos é que a situação fugiu do controle.
O problema do uso de substâncias tóxicas é semelhante a um câncer de alta malignidade. Espalha-se rapidamente e gera outras temidas consequências, como homicídios, furtos, roubos e outras modalidades do crime, no qual dezenas de pessoas todos os dias perdem a guerra para o tráfico de drogas e são vitimadas covardemente. Enquanto famílias inteiras são destruídas, traficantes se enriquecem à custa do sofrimento alheio.
O que é dependência química?
A dependência química ou síndrome da dependência é definida pela ciência como a perda do controle do organismo sobre o uso de substâncias químicas (drogas ilícitas, etilismo, tabagismo, medicações), ou seja, o corpo passa a depender dessas substâncias para realizar suas funções. Na ausência delas, manifesta sintomas conhecidos como síndrome de abstinência.
É uma doença crônica de ação rápida e difícil controle, que pode levar o indivíduo à morte. Hoje é considerado um problema de saúde pública.
O conceito de “Droga”
As drogas são substâncias tóxicas de origem natural ou sintética, de efeitos nocivos para o organismo. Podem ser ingeridas, inaladas, injetadas ou absorvidas pela pele e têm ação específica no cérebro, estimulando as áreas responsáveis pelo prazer, o que provoca uma ligeira sensação de bem-estar. Para sustentar esse falso prazer, o usuário necessita de doses cada vez maiores, com isso viciando o corpo físico e o Espírito.
Essas substâncias podem causar atrofia no tecido cerebral, resultando em déficit de aprendizagem, distúrbios cognitivos, demência e esquizofrenia.
Causas da dependência química
Diversos fatores são apontados pela ciência como causas da dependência química. Os principais estudos apontam para as questões psicológicas, sociais, congênitas (mães usuárias transmitem o vício para os filhos ainda na gestação) e genéticas. Cientificamente, não há uma resposta definitiva para a causa da dependência química nas pessoas.
A explicação do Espiritismo
Segundo Joanna de Ângelis, o indivíduo deve ser analisado de forma holística. A organização do ser compreende Espírito, corpo e mente, considerando a imortalidade da alma e a pluralidade das existências. Através dessas considerações, pode-se compreender que as origens de várias patologias físicas e psicológicas estão relacionadas à enfermidade do Espírito, adquirida outrora ou fruto da imaturidade e de seu grau de adiantamento ainda limitado.
De maneira geral, deve-se observar a busca incessante pela compreensão do “eu”; as consequências dos próprios atos, as quais resultam em problemas aparentemente infindáveis para o ser humano; as inquietudes do Espírito atormentado pela consciência culpada; a preocupação excessiva com o corpo físico e a negação do Espírito; o imediatismo existencial e a falta de confiança no Criador. Quando não há entendimento para essas questões, o ser humano pode mergulhar em uma crise existencial, caracterizada pelo vazio, a solidão e graves conflitos psicológicos que levam à depressão e a outros transtornos comportamentais, que acabam por induzir esses Espíritos menos preparados a buscar um refúgio nas substâncias entorpecentes.
Diz Joanna de Ângelis, em “Psicologia da Gratidão”: “Nessa busca de realização pessoal, base de sustentação para uma existência feliz, surge o desafio do significado existencial, no momento em que a sociedade experimenta a pandemia psicopatológica das vidas vazias”.
Por outro lado, durante a jornada evolutiva, o Espírito imperfeito é convidado a se despir das tendências viciosas adquiridas ao longo de existências pregressas. Essas intenções negativas podem permanecer gravadas no perispírito por um longo tempo, o que acaba sendo exteriorizado para a matéria, explicando dessa forma a predisposição genética para o desenvolvimento da dependência química em alguns indivíduos. Um Espírito que teve contato com substâncias químicas em existências anteriores pode, por exemplo, apresentar uma probabilidade maior de desenvolver a doença na reencarnação subsequente.

Fonte: André Luiz Alves Jr.


Compartilhado de: Carlos Alberto Aragão

sábado, 30 de setembro de 2017

Oração do Amor Próprio




"Com carinho eu me cuido e me amparo a cada passo, a cada queda. Sei que minha força se refaz no meu tempo e nele meu coração celebra. Que eu não me critique ou me culpe, drenando assim minha própria energia. Que eu saiba respeitar o meu tempo de florescer a cada dor, que eu possa também me permitir a alegria. Que antes de cuidar do outro, eu olhe para a minha vida, regue o meu jardim para que a doação não me deixe um buraco e eu me sinta depois dolorida. Que eu não abandone a mim mesma, esperando que alguém venha me salvar, ao invés disso que eu saiba me olhar com amor e me curar. Que eu saiba primeiro me encontrar antes de me doar. Que eu possa respeitar os meus próprios limites e aprender a dizer não quando essa é a minha real vontade e direção. Nos erros que cometo, que eu possa me olhar com todo amor e compaixão, pois sei que faço e dou o meu melhor, que eu aprecie a auto gratidão. Em cada Alegria celebro a grandeza de ser quem sou, sem querer ser uma imagem que pintaram de mim, esse tempo acabou. Com carinho eu me curo e me amparo a cada passo, a cada queda. Sei que minha força se refaz no meu tempo e nele meu coração celebra."

Namastê!!!

Compartilhado do Grupo de Instituto de Reiki Tradicional de Campinas- (Elizete)

As cores no antigo Egito




O ser humano nasceu rodeado de cores e começou a usá-las intuitivamente. No antigo Egito a Medicina também empregou as cores como recursos terapêuticos, fazendo analogias entre as características dos sintomas ou das doenças e as cores através de substâncias como plantas e pedras preciosas e semipreciosas.
A utilização das plantas era feita por folhas, flores ou raízes, em forma de infusões, chás, emplastros ou cataplasmas, triturados com mel ou óleos aromáticos, aplicados em curativos locais.

Usavam as pedras preciosas ou semipreciosas para confeccionar amuletos, adereços e jóias, as quais além de atuarem pela ação da cor, exerciam sua influência benéfica pelas fórmulas mágicas que traziam gravadas.
No tratamento da icterícia, que se caracteriza pelo aumento de bilirrubina no sangue, com deposição desse pigmento na pele e mucosa, apresentando a coloração amarelada, era usada a cor amarela para terapia, através de flores e pedras preciosas, conforme os procedimentos já mencionados.

No caso de hemorragia, evidenciada pelo derramamento de sangue, onde se observa a sua cor vermelha, bem como de doenças cardiovasculares, utilizavam como tratamento a cor vermelha em flores e pedras preciosas.
A cianose, que provoca uma coloração azul-arroxeada na pele, é resultante de oxigenação insuficiente do sangue e se manifesta em doenças pulmonares crônicas, como fibrose e enfisema pulmonar, e também nas doenças cardíacas, como cardiopatias congênitas ou graves, como as lesões do septo cardíaco. Essa doença era tratada com flores e pedras preciosas de cor azul.

Todas essas práticas baseadas na utilização das cores como terapia médica levavam em consideração a analogia entre a cor com a qual se manifestava o sintoma ou a doença e a cor usada para a cura. Os médicos egípcios acreditavam na ação neutralizante das cores a tal ponto que irradiavam, de maneira localizada, a coloração idêntica pela qual se apresentava determinada patologia.
Muitos templos no antigo Egito possuíam as Hat Ankh ou Castelos da Vida, ou ainda Sanatórios de Cura, que eram construídos em pedra ou em tijolos, onde os sacerdotes-médicos faziam os tratamentos de hidroterapia, sonoterapia, hipnose e a cromoterapia pelo uso de flores e pedras preciosas.
Esses procedimentos eram rigorosamente supervisionados pelos sacerdotes especializados, iniciados nos mistérios da magia e profundos conhecedores dessas ervas e pedras curativas.

As substâncias mais empregadas nos tratamentos de cura eram: estramônio, beladona (usada como antiespasmódico e como estimulante cardíaco e respiratório), meimendro, de onde se extrai os alcalóides hiocinamina e escopolamina, o ópio (suco da Papoula), cujos alcalóides são a morfina e o láudano, com efeitos anestésico, alucinógeno e narcótico. Conheciam o poder anestésico das sementes da flor-de-lótus e da papoula que, após serem torradas e moídas, eram colocadas sobre feridas. E também usavam a famosa mandrágora.
O Templo de Kom Ombo parece ser o único que ainda conserva as Hat Ankh, que podem ser vistas na parte final do mesmo, em número de sete.

Também no templo de Esna existe uma invocação ao Deus Knum, gravada nas colunas da sala hipóstila, que comprova terem existido as Hat Ankh:
“Como é bela a tua face quando estás na Hat Ankh curando os doentes e libertando do mal aqueles que te procuram.”
A maioria dessas construções Hat Ankh, que se situavam atrás do Templo, não existem mais, pois foram destruídas pelo tempo. O Templo de Dendera mantém vestígios dessas instalações e suas ruínas podem ser observadas do terraço do templo principal, conforme estudos do pesquisador Daumas, em 1957, que confirmou sua destinação como sanatórios de cura.
Essas Hat Ankh egípcias foram as precursoras dos sanatórios de cura - Asclépias - que os gregos iriam fundar em seus bosques sagrados, séculos mais tarde.

Segundo o Prof. Reuben Amber, autor do livro “Cromoterapia - A Cura Através das Cores", o Egito foi o país pioneiro no uso da Cromoterapia. Relata ele que arqueólogos encontraram em alguns templos egípcios evidências de pequenas salas construídas com uma abertura no teto de modo a permitir a entrada do Sol, onde os pacientes recebiam o tratamento.
Relata esse professor que os egípcios também utilizavam a água solarizada como remédio.
Tempos depois, é provável que o vidro colorido tenha sido usado em terapias assim como eram utilizadas as pedras preciosas e semipreciosas.
Sabe-se que o vidrado era conhecido no Egito desde o Antigo império e que a primeira fábrica de vidro foi instalada em meados da XVIII Dinastia, chegando a fabricar o vidro translúcido colorido.
Foi encontrada entre as ruínas da cidade de Akhetaton uma fábrica de vidro e diversos objetos de vidro trabalhado, entre eles o peixe colorido que se encontra no Museu de Londres, a taça de vidro amarelo que está no Museu de N.York, e a ânfora azul que se encontra no Museu do Cairo.

:: Principais cores usadas no Antigo Egito

O AZUL simbolizava o céu e as águas do rio Nilo. O ANIL representava o céu à noite. Observa-se no teto de tumbas e templos o céu pintado de anil com estrelas em amarelo-ouro.
Pedras - turquesa e lápis-lazúli.

O VERDE é representado pelo papiro, que significa o verdor vegetal e a juventude. O papiro é o símbolo do baixo Egito - Norte.
Os egípcios associavam o verde ao ciclo da planta e também à vida do homem, dizendo: “A árvore perde suas folhas no outono, parece morta no inverno, renasce na primavera, desabrocha no verão, tornando-se a imagem da ressurreição e da regeneração. Osiris é o símbolo deste renascimento, chamado Osiris verdejante”.
Pedras - malaquita e esmeralda.

O AMARELO-OURO (DOURADO) simboliza a cor do Sol. É a cor que diviniza. O ouro era considerado a carne dos imortais, representada em estátuas e jóias..
Pedra - jaspe amarelo.

O VERMELHO é o símbolo da vida, pois é a cor que o Sol toma no nascente e no poente. Existe um papiro com a representação de dois leões com o hieróglifo do horizonte - akhit - que tem o Sol, em vermelho, entre duas montanhas com a cruz Ank, que é o símbolo da vida, mostrando que o ciclo da vida do homem é semelhante ao do Sol, que percorre o seu curso eternamente.
Pedras - cornalina e grés vermelha.
Jóia em ouro com diversas pedras preciosas, salientando-se o Sol em Cornalina (vermelho) e o escaravelho em Lápis-lazúli (azul). 
Além dessas cores, os egípcios também usavam as tonalidades:
Branco - Manifesta a pureza. Os egípcios se vestiam sempre de branco.
Negro - Representa as transformações eternas ou as transmutações.
Concluindo, pode-se dizer que a Cromoterapia teve origem no antigo Egito há aproximadamente 2800 anos a.C., iniciando com o uso terapêutico de flores, pedras preciosas e semipreciosas de diversas cores, conforme a sua semelhança com as características apresentadas pelas doenças.

Posteriormente, com a fabricação do vidro colorido translúcido, e com as pesquisas médicas sobre a função das cores na recuperação de pacientes, a Cromoterapia foi adotada internacionalmente, com sucesso.

Compartilhado de: Carlos Alberto Aragão
Fonte: Chandra Shamelah Gipsye

Alzheimer e seus aspectos espirituais




É Possível Evitar

Por Dr. Américo Marques Canhoto.
Américo Marques Canhoto, médico especialista, casado, pai de quatro filhos. Nasceu em Castelo de Mação, Santarém, Portugal. Médico da família desde 1978. Atualmente, atende em São Bernardo do Campo e São José do Rio Preto - Estado de São Paulo - BR. Conheceu o Espiritismo em 1988. Recebia pacientes que se diziam indicados por um médico: Dr. Eduardo Monteiro. Procurando por este colega de profissão, descobriu que esse médico era um espírito, que lhe informou: Alzheimer acima de tudo é uma moléstia que reflete o isolamento do espírito.
Queremos dividir com os leitores um pouco de algumas das observações pessoais a respeito dessa moléstia, fundamentadas em casos de consultório e na vida familiar dois casos na família. Achamos importante também analisar o problema dos 'cuidadores' do doente.
Além de trazer à discussão o problema da precocidade com que as coisas acontecem no momento atual. Se tudo está mais precoce, o que impede de doenças com possibilidade de surgirem lá pelos 65 anos de idade apareçam lá pela casa dos 50 ou até antes?
Alerta
- É incalculável o número de pessoas de todas as idades (até crianças) que já apresentam alterações de memória recente e de déficit de atenção (primeira fase da doença de Alzheimer). Lógico que os motivos são o estilo de vida atual, estresse crônico, distúrbios do sono, medicamentos, estimulantes como a cafeína e outros etc. Mas, quem garante que nosso estilo de vida vai mudar?
Então, quanto tempo o organismo suportará antes de começar a degenerar?

É possível que em breve tenhamos jovens com Alzheimer?!?

*Alguns traços de personalidade das pessoas portadoras de Alzheimer *

a) Costumam ser muito focadas em si mesmas.
b) Vivem em função das suas necessidades e das pessoas com as quais criam um processo de co -dependência e até de simbiose.
c) Seus objetivos de vida são limitados (em se tratando de evolução).
d) São de poucos amigos.
e) Gostam de viver isoladas.
f) Não ousam mudar.
g) Conservadoras até o limite.
h) Sua dieta é sempre a mesma.
i) Criam para si uma rotina de 'ratinho de laboratório'.
j) São muito metódicas.
k) Costumam apresentar pensamentos circulares e ideias repetitivas bem antes da doença se caracterizar.
l) Cultivam manias e desenvolvem TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) com frequência.
m) Teimosas, desconfiadas, não gostam de pensar.
n) Leitura os enfastia.
o) Não são chegadas em ajudar o próximo.
p) Avessas á prática de atividades físicas.
q) Facilmente entram em depressão.
r) Agressivas contidas.
s) Lidam mal com as frustrações que sempre tentam camuflar.
t) Não se engajam.
u) Apresentam distúrbios da sexualidade como impotência precoce e frigidez.
v) Bloqueadas na afetividade e na sexualidade. Algumas têm dificuldades em manifestar carinho, para elas um abraço, um beijo, um afago requer um esforço sobre -humano.

Gatilhos que costumam desencadear o processo

-Na atualidade, a parcela da população que corre mais risco são os que se aposentam especialmente os que se aposentam cedo e não criam objetivos de vida de troca interativa em sequência. Isolam-se. Adoram TV porque não os obriga a raciocinar, pois não gostam de pensar para não precisar fazer escolhas ou mudanças.
Avarentos de afeto e carentes de trocas afetivas quando não podem vampirizar os parentes, deprimem-se escancarando as portas para a degeneração fisiológica e principalmente para os processos obsessivos. Nessa situação degeneram com incrível rapidez, de uma hora para outra.

Alzheimer e mediunidade

No decorrer do processo os laços fluídicos ficam tão flexíveis que eles falam com pessoas que não enxergamos nem sentimos. Chegam a transmitir o que dizem os desencarnados ou são usados de forma direta para comunicações.
Esta condição fluídica permite que acessem com facilidade ao filme das vidas passadas (bem mais a última) - muitas vezes nesses momentos, nos nomeiam e nos tratam como se fossemos outras pessoas que viveram com eles na última existência e nos relatam o que 'fizemos' juntos, caso tenhamos vivido próximos na última existência.
Vale aqui uma ressalva, esse fato ocorre em muitos doentes terminais e em algumas pessoas durante processos febris.
Obsessão
É bem comum que a doença insidiosamente se instale através de um processo arquitetado por obsessores, pois os que costumam apresentar essa doença não são muito adeptos da ajuda ao próximo e do amor incondicional; daí ficam vulneráveis às vinganças e retaliações. É raro que bons tarefeiros a serviço do Cristo transformem-se em Alzheimer. Mas, quem é ou quais são os alvos do processo obsessivo? O doente ou a família?
Alzheimer - o umbral para os ainda encarnados
O medo de dormir reflete, dentre outras coisas, as companhias espirituais nada agradáveis. Os 'cuidadores' desses pacientes tem mil histórias a contar e muitos depoimentos a fazer.. Esse assunto merece muitos comentários.
O que é possível aprender com o cuidador?
Paciência, tolerância, aceitação, dedicação incondicional ao próximo, desprendimento, humildade, inteligência, capacidade de decidir por si e pelo outro. Amor.
*O problema da obsessão *
Quem obsidia quem?
Cuidador e doente são antigos obsessores um do outro - não é preciso recuar muito no tempo, pois mesmo nesta existência, com um pouco de honestidade dá para analisar o processo em andamento; na dúvida basta analisar as relações familiares, como as coisas ocorreram.
*Não foi possível? - não importa; basta que hoje, no decorrer do processo da doença, avaliemos o que nos diz o doente nas suas 'crises de mediunidade'
você fez isso ou aquilo, agora vai ver! preste muita atenção em tudo que o doente diz, pois aí, pode estar a chave para entendermos a relação entre o passado e o presente.

A dieta influencia

Os portadores da doença costumam ter hábitos de alimentação sem muita variação centrada em carboidratos e alimentos industrializados. Descuidam-se no uso de frutas, verduras e legumes frescos, além de alimentos ricos em ômega 3 e ômega 6
*Devem consumir mais peixe e gorduras de origem vegetal (castanha do Pará, nozes, coco, azeite de oliva extra virgem, óleo de semente de gergelim). *
Estudos recentes mostram que até os processos depressivos podem ser atenuados ou evitados pela mudança de dieta.
Doença silenciosa?
Nem tanto, pois avisos é que não faltam, desde a infância analisando e estudando as características da criança, é possível diagnosticar boa parte dos problemas que se apresentarão para serem resolvidos durante a atual existência.

Remédios resolvem?

Ajudar até que ajudam; mas resolver é impossível, ilógico e cruel se, possível fosse - pois, nem todos tem acesso a todos os recursos ao mesmo tempo.
Remédios usados sem a contrapartida da reforma no pensar, sentir e agir podem causar terríveis problemas de atraso evolutivo individual e coletivo; pois apenas abrandam os efeitos sem mexer nas causas. Tapam o sol com a peneira.
Remédios previnem?
Claro que não! - apenas adiam o inexorável. Quanto a isso, até os cientistas mais agnósticos concordam. Um dos mais eficazes remédios já inventados foram os grupos de apoio à terceira idade.
A convivência saudável e as atividades que possam ser feitas em grupo geram um fluxo de energia curativa. A doença de Alzheimer acima de tudo é uma moléstia que reflete o isolamento do espírito que se torna solitário por opção. O interesse pelos amigos é um bom remédio.

Qual a vacina?

É estudar as características de personalidade, caráter e comportamento dos que a vivenciam, para que não as repitamos. *A melhor e mais eficiente delas é o estudo, o desenvolvimento da inteligência, da criatividade e a prática da caridade. *

*Quer evitar tornar-se um Alzheimer? *
Torne sua vida produtiva, pratique sem cessar o perdão e a Caridade com muito esforço e inteligência. Muito mais há para ser analisado e discutido sobre este problema evolutivo que promete nos visitar cada dia mais precocemente...
Esperamos que esta pequena lição que o Dr.Américo nos proporcionou em sua palestra nos sirva para podermos ajudar pessoas com este mal.






7 características que apenas pessoas realmente sábias possuem





1- Pessoas sábias pedem desculpas
Pessoas sábias sabem que tudo que acontece no mundo está em constante transformação, inclusive suas verdades. Elas reconhecem que erram mais do que acertam e, por isso, são humildes ao pedir desculpas.
Quanto maior a sabedoria, maior a responsabilidade pelo entorno.

2- Pessoas sábias nunca humilham
Você não verá uma pessoa sábia humilhando alguém que errou, mesmo que esse erro tenha sido grave, porque a sabedoria reside na necessidade da aprendizagem, reparação e continuidade, mas nunca na destruição.

3- Pessoas sábias não são egoístas
Justamente por ter a clara percepção de que não são seres isolados, e sim parte de um todo muito maior e mais complexo, o sábio entende a complementariedade dos seres. Isso gera nele um profundo respeito e admiração. Afinal, quem é capaz de direcionar um sincero olhar aquele que está ao seu lado não será capaz de lhe negar a mão.

4- Pessoas sábias percebem as sutilezas presentes no ambiente onde estão, pois aprenderam que a sabedoria de sua intuição pode ser tão poderosa quanto o que aprenderam nos livros.
Ser sábio é não engessar o conhecimento e permanecer aberto para novas aprendizagens, sejam elas intelectuais ou físicas. Ter boa memória não é ser inteligente. Ser um gênio matemático não é sinônimo de ser sábio. Ter capacidade de driblar o outro usando de um tom de voz mais alto ou de uma boa argumentação está longe de ser sabedoria. A sabedoria reside na capacidade de analisar o que acontece, do sinal mais simples a teoria mais complexa e fazer algo útil e que gere uma melhora para o todo, não apenas para afirmar o seu ego. Não se é sábio pela faculdade que cursou ou pelos livros que leu. Ostentar títulos e jargões costuma, ao contrário de sabedoria, ser disfarce de inseguranças.

4a- Pessoas sábias crescem nos momentos de crise
A cada erro uma nova oportunidade de fazer diferente e aprender. O sábio entende suas limitações, sente, sofre e chora como todos nós, mas tenta mais uma vez. Sabedoria também é a persistência de continuar onde muitos desistiram

5- São pessoas dispostas a ajudar
A sabedoria caminha ao lado da gentileza, da alteridade e do altruismo. Entretanto, ao contrário do que pode parecer, o sábio sabe identificar os limites de sua doação pessoal para que não se torne ausente de si.

6- Pessoas sábias são tolerantes
Raça, credo, sexualidade, religião. Ser sábio é transitar por diferentes meios, observar seus costumes, compreender mais e julgar menos.

7- O sábio não se considera um sábio, mas pode carregar em si o peso da solidão pelo excesso de consciência.
Talvez haja em todo sábio algo de solidão. Ora a solidão “solitude” que permite a reflexão, a meditação e o estudo. Ora, entretanto, a solidão do excesso de consciência do mundo e de tudo o que nele acontece. Há algo de tristeza na sabedoria do sábio. Talvez seja a tristeza carregada pela memória ancestral dos erros da humanidade que custa tanto a aprender que a sabedoria não mora perto e nem ao lado, mas sim, junto do amor.

Sabedoria é amor genuíno: amor por si, pelo outro, pela natureza.

Todas as imagens: Gajus/shutterstock



Blogueira e empresária. Após trabalhar anos como psicóloga, abandonou o serviço público para manter seus valores pessoais. Hoje, conjuntamente com sua equipe, trabalha prioritariamente na internet na administração de redes sociais e sites como CONTI outra, A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil, além de várias outras fan pages que totalizam cerca de 10 milhões de usuários. Também escreve para as Revistas Contemporânea Brasil e Caminhos. É um exemplo de pessoa que mudou de profissão para reconstruir seu próprio caminho. Apaixonada por cinema e literatura. Acredita que a universidade deve ser um degrau construtor de conhecimento e senso crítico, mas nunca a definidora de uma vida.