sábado, 25 de março de 2017

A Suprema Compreensão



No amor profundo as pessoas temem enlouquecer, ou morrer, temem o que pode vir a acontecer. O abismo abre a sua boca, toda a existência boceja e, subitamente, você está ali, pode tombar ali. As pessoas tornam-se medrosas do amor e, então, satisfazem-se com o sexo e chamam ao sexo de “amor”.
O amor não é sexo. O sexo pode acontecer no amor, pode ser parte dele, parte integral, mas o sexo, em si mesmo, não é amor – é um substituto. Você tenta evitar o amor por meio do sexo. Dá, a você mesmo, a sensação de estar amando, mas você não esta se movendo em amor. O sexo é tal qual o conhecimento emprestado: dá a sensação de saber, sem saber, da à sensação de amor e de estar amando, sem amar.

Osho- Tantra a suprema compreensão